sábado, 14 de novembro de 2015

@LançamentosNovembro2015 @EditoraNovoConceito - O Bangalô - Sarah Jio

@LançamentosNovembro2015 @EditoraNovoConceito -  O Bangalô - Sarah Jio


Verão de 1942. Anne tem tudo o que uma garota de sua idade almeja: família e noivo bem-sucedidos.

No entanto, ela não se sente feliz com o rumo que sua vida está tomando. Recém-formada em enfermagem e vivendo em um mundo devastado pelos horrores da Segunda Guerra Mundial, Anne, juntamente com sua melhor amiga, decide se alistar para servir seu país como enfermeira em Bora Bora. 

Lá ela se depara com outra realidade, uma vida simples e responsabilidades que não estava acostumada. Mas, também, conhece o verdadeiro amor nos braços de Westry, um soldado sensível e carinhoso.

O esconderijo de amor de Anne e Westry é um bangalô abandonado, e eles vivem os melhores momentos de suas vidas... Até testemunharem um assassinato brutal nos arredores do bangalô que mudará o rumo desta história.

A ilha, de alguma forma, transforma a vida das pessoas, e este livro certamente transformará você.

Sarah Jio Biografia:
Sarah Jio é jornalista e escreve para revistas como SELF, Real Simple, Cooking Light e O, The Oprah Magazine, entre outras. Nos últimos anos mantém um blog na “;Glamour.com”; sobre saúde e bem-estar. Vive em Seattle com o marido, seus três filhos e um golden retriever.

As Violetas de Março é o seu primeiro romance e foi considerado o melhor livro do ano (2011) pelo Library Journal.

A AUTORA NO BLOG:

Resenha: Neve na Primavera - Sarah Jio
Classificação: 5/5 ♥ Favorito 
Editora: Novo Conceito

Sinopse: Neve na Primavera - Sarah Jio
Neve na Primavera - Seattle, 1933. Vera Ray dá um beijo no pequeno Daniel e, mesmo contrariada, sai para trabalhar. Ela odeia o turno da noite, mas o emprego de camareira no hotel garante o sustento de seu filho. Na manhã seguinte, o dia 2 de maio, uma nevasca desaba sobre a cidade. Vera se apressa para chegar em casa antes de Daniel acordar, mas encontra vazia a cama do menino. O ursinho de pelúcia está jogado na rua, esquecido sobre a neve. Na Seattle do nosso tempo, a repórter Claire Aldridge é despertada por uma tempestade de neve fora de época. O dia é 2 de maio. Designada para escrever sobre esse fenômeno, que acontece pela segunda vez em setenta anos, Claire se interessa pelo caso do desaparecimento de Daniel Ray, que permanece sem solução, e promete a si mesma chegar à verdade. Ela descobrirá, também, que está mais próxima de Vera do que imaginava.

''Tome cuidado! Em um simples piscar de olhos, tudo o que você me ama pode ser levado de você! ''

Estou completamente encantada com esse romance! Não poderia ter terminado a obra mais emocionada! Neve na Primavera reafirma tudo que escutei sobre a autora quando comentavam sobre Violetas de Março, seu primeiro livro! Sarah Jio me cativou, me emocionou, me fez ir e voltar no tempo e em meio a mistério, suspense, muito drama e amor me envolveu de tal forma que não achei possível até estar totalmente submersa na história!

'' - Claire - ele continuou -, não, ouça. Uma tempestade de neve de final de estação caiu nesta mesma data em 1933. - Ouvi mais papéis sendo remexidos. - A época é excepcional. Mais de oitenta anos atrás, uma tempestade idêntica, uma gigantesca nevasca, paralisou completamente a cidade.''

Duas mulheres!

Duas perdas!

Duas épocas diferentes, mais de setenta anos que separam Claire e Vera!

Vera Ray, em uma Seattle de 1933, se despede de seu filhinho de três anos, Daniel Ray, e vai trabalhar, ela não tinha escolha, odiava trabalhar de madrugada, mas era isso ou passar mais necessidade que já passavam, seu emprego de camareira de um famoso hotel sustentavam ela e seu menino. 

''Parecia mais fácil me perder na história de Daniel e Vera do que resolver a minha própria.''

Na manha seguinte de dia 2 de maio, uma nevasca cai por toda a cidade. Vera corre para chegar em casa, queria chegar antes que seu menininho acordasse, mas encontra sua cama vazia, desesperada, sai correndo em meio a neve e o mal tempo, e acha o ursinho de Daniel jogado em um beco, Daniel nunca largava Max, isso já era uma certeza que seu filho tinha sido sequestrado! Daniel foi levado!

''Vera Ray, de Seattle, relata que seu filho, Daniel Ray, desapareceu. Ele foi visto pela última vez na residencia da Quinta avenida, 4.395, #2. A suspeita é de fuga.'' 

Na Seattle atual, Claire Aldridge é uma repórter mergulhada na sua própria dor. O que teria acontecido na vida dessa mulher há um ano atrás para fazer Claire mudar tanto? Dia 2 de maio cai sobre a cidade uma nevasca, novamente fora de seu tempo... Neve na primavera? Onde se viu isso!? Designada para escrever uma matéria sobre o acontecido, Claire acaba descobrindo que não foi a primeira vez que a nevasca aconteceu, em meio a sua pesquisa, Claire descobre a notícia sobre o desaparecimento do menino Daniel, e resolve investigar mais a fundo essa história! Onde tudo isso vai levar a mocinha? Estaria Daniel ainda vivo? Qual foi seu fim? E a desesperada mãe Vera? Claire irá descobrir muito sobre toda a história, semelhanças entre ela e Vera que jamais imaginaria! E tudo leva a trilha de amoras-pretas!!!

''Analisei minhas mãos no colo e o diamante solitário em meu dedo. Ela tinha razão. Eu estava mergulhando num abismo.''

Já imaginava que não ia ser uma leitura fácil, quando descobri que iria tratar sobre perdas, sobre mães que perdem seus filhos, sobre vidas desmoronadas, um tremendo drama, mas foi muito mais, foi uma leitura bem sofrida, em algumas partes, a emoção pega o leitor desprevenido, duas mulheres que não tiveram uma vida leve, fácil, tranquila. A emoção, as histórias que caminham para um fim trágico, juntamente com todo o mistério que envolve o livro, nos remetem a uma atmosfera investigativa, de muito suspense, muito minha cara, uma obra que mistura o drama e o romance policial, e tudo isso apelando aos nosso sentimentos, a nossas sensações ao entramos nas vidas dessas fortes personagens!    

''... Às vezes sinto como se meu coração fosse explodir.
- Então, deixe explodir - ele disse, alisando meu cabelo como meu pai costumava fazer quando eu era uma menininha. - Você tem carregado esse fardo há muito tempo. Liberte-o. Libere tudo, querida.
 Fechei os olhos, deixando as lembranças verterem como um deslizamento, destruindo o mundinho inflexível que eu havia criado para mim mesma, a blindagem emocional que me protegia de sentir a dor do passado, Fechei os olhos. E me lembrei.''

A autora tem uma escrita maravilhosa, a leitura é fluída e rápida, e bem desenvolvida, parece toda bem cronometrada, mostrando cada fato ao seu tempo, fazendo cada pedacinho se ligar com o outro, os capítulos são alternados entre as duas mulheres, entre as suas histórias, brincando com as lembranças de cada uma como se fosse uma linda dança!

'' Não sabem que estão destruindo a história, as lembranças das pessoas, com suas bolas demolidoras. Seja lá quem for o dono daquele edifício, ele é uma boa pessoa, para mantê-lo intacto daquele jeito.''

Os personagens são intensos, são dramáticos, sentimos tudo que cada uma está sentindo, seus sentimentos, sendo eles de amor, perda, dor, alegria, traição ou saudade! Vamos de um ápice a outro, de uma sensação de tranquilidade, a uma de total tormento, fazendo com que a leitura seja rápida e única, e que o leitor queira saber cada segundo do que aconteceu e do que está acontecendo!  

'' - É estranho. Eu sinto como se uma tempestade estivesse a caminho; uma bem grande, para a qual não estou preparada. Tenho a sensação de que ela vai levar minha casa, minha vida, tudo a que eu tive tanto apego, por tantos anos. Estou me preparando para isso. Sei que vai me machucar. - Suspirei - E, depois do que passei este ano, não sei bem se tenho força para lidar com isso.''

Nenhuma mãe nunca deviria perder um filho!
Não importa a idade, ou o tempo, não tem palavras suficientes para descrever essa dor, mas Sarah Jio chegou muito, muito perto, a autora foi maravilhosa, fiquei muito apaixonada por sua obra, como um todo, é uma história maravilhosa, que me fez terminá-la chorando, muito emocionada, muito sentida, mas muito feliz! Um tremendo suspense, que deixa o leitor totalmente conectado com o enredo e seus personagens! 
Neve na Primavera é uma grande dica para leitores que não tem medo de se envolver, de sentir, de sofrer! Te conquista pelo teor emocional e pelo mistério, super bem fechado e amarado! Recomendadíssimo! 

''A vida  dele fora como um trágico romance sem o capítulo final, um belo desfecho. Nós descobrimos, tiramos a poeira que o cobria, e agora era hora de ele ler esse livro.''

Resenha ORIGINAL
Paula Juliana

22 comentários:

  1. Oiee ^^
    Realmente, nenhuma mãe deveria perder o filho. Deve ser a dor mais terrível existente nesse mundo.
    Ainda não li esse livro, mas vi que MUITA gente gostou, achei incrível, pois não encontrei nenhuma resenha negativa dele até agora, e algo me diz que não vou encontrar mesmo. No momento não estou querendo sofrer...haha' 2015 já foi bem sofrido no quesito literário, então vou deixar os livros da autora para 2016 :)
    MilkMilks
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Não tenho filhos, só sobrinho. Mas imagino a dor q sentiria caso o perdesse, se fosse um filho, nem se fala. Interessante o plot cíclico, onde acontecem fatos parecidos em épocas diferentes. E neve, ah como eu amo. Amei tudo q li, inclusive a capa, é maravilhosa, mas ñ sei se estou preparada pra essa leitura nesse momento. Ficará pro futuro.

    ;D
    Profissão: Leitora

    ResponderExcluir
  3. Ai, estou louca por Neve na Primavera, a capa é linda e a sinopse é muito instigante, quero ler ainda esse ano

    ResponderExcluir
  4. Oi Paula!
    Estou curiosa com a história do livro O Bangalô devido as minhas boas experiências com os livros anteriores. Eu já li o livro Neve da Primavera e gostei muito da história. Delicada e emocionante na medida certa, muito bom!
    Bjks!
    http://www.historias-semfim.com/

    ResponderExcluir
  5. Ainda não tive oportunidade de ler nada da autora, mas essas duas obras com certeza estão nos meus desejados. Já li diversas resenhas de Neve da primavera e amei a trama, ansiosa para conferir!
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  6. Oi Paulinha!

    O Bangalô é uma das minhas próximas leituras, estou bem ansiosa! Neve na Primavera já li e gostei muito, apesar de ter ressalvas devido ao excesso de coincidências. A leitura é bem sofrida e emocionante mesmo, e adoro a escrita da autora, mas acho que você acabou gostando mais do que eu. Meu preferido dela ainda é As violetas de março. :)

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  7. Quero demais ler Neve na Primavera, sou mamãe e acho que vou chorar horrores, mas estou deixando mais para o ano que vem porque li muitos dramas esse ano que me deixaram com uma ressaca que Deus me livre, fiquei um mês sem ler nada. Quanto ao lançamento, fiquei bem curiosa e gostei bem da capa,simples mas bonita. Espero conseguir ler os dois ano que vem.

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Oie, tudo bem!?
    Eu estou doida para ler o Bangalô exatamente pelo motivo de que amei demais Neve na Primavera! Que livro perfeito, história linda e, acima de tudo, a escrita da autora foi apaixonante demais. Não vejo a hora de mergulhar nesse próximo livro!
    Beijos

    LuMartinho | Face

    ResponderExcluir
  9. Oi Paulinha, sua linda, tudo bem
    Quando li a sinopse de O Bangalô e vi que era a mesma autora de Neve na Primavera, fiquei super animada para fazer a leitura. Ainda não tive a oportunidade de conhecer o trabalho dela, Mas só pela resenha de Neve na Primavera, fico com o coração apertado por essa mãe, e só o que passa na minha cabeça é o desespero de não saber onde ele está, com quem ele está, o que está acontecendo com ele. Não vejo a hora de ler os dois livros. Adorei sua resenha!!!!
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir