quinta-feira, 29 de outubro de 2015

#SemanaProibido @EditoraValentina #MayaeLochan @OverdoseLiterária

#SemanaProibido @EditoraValentina #MayaeLochan @OverdoseLiterária


O enredo é no minimo polêmico, acredito que falar assim de cara, só citar uma simples palavra, pode fugir ou aguçar vários tipos de leitores, mas nessa literatura, como na literatura em geral sentindo tudo que os personagens sentem, e sabendo o que está acontecendo pelos olhos deles, entendo aquilo tudo, desde o principio, sem preconceitos, sem opiniões pré-formadas é muito, muito diferente.


Vamos lá! Sem mais mistérios!

Encontramos uma família onde um pai a abandonou e uma mãe é tão ausente que entre o vício da bebida e o comportamento de adolescente sem causa, ela não pode nem cuidar dela mesma, quem dera de cinco filhos. 
Então, temos os cinco filhos, Lochan de quase 18 anos, Maya de quase 17, Kit de treze, Tiff de oito, e a pequena Willa de cinco. 

Uma casa sem mãe e sem pai, com crianças pequenas, alguém tem que cuidar, alguém tem que fazer esse papel, fazer comida, educar, dar banho, pegar e levar para a escola, dar o apoio emocional e estrutura que todas as crianças precisam para sobreviver. 
Nessa ''brincadeira'' da vida cotidiana, quem assumiu os papéis de autoridade foram Loch e Maya, Maya e Loch, o irmão e a irmã que se apaixonaram, que acabaram se envolvendo e se amando muito, muito mais do que a sociedade permite e aceita de uma relação fraternal!


Amor! Paixão! Uma família quebrada! Crianças! Uma relação incestuosa! Essa palavra é forte e realmente não queria usar na resenha, mas acredito que quem ler e quem leu a obra não pensou nessa palavra como uma coisa feia e nojenta, que é como geralmente a gente pensa imediatamente! 


A relação de Loch e Maya é muito bonita, a relação da família é muito bonita, as crianças são maravilhosas, todas com a personalidade bem definidas, bem acentuada, com os traços totalmente próprios e originais. Willa e sua inocência, Tiff e a sua energia, Kit e a sua rebeldia, o filho do meio que queria ser ouvido!

Realmente me envolvi com todos os personagens, não consegui enxergar o romance de Loch e Maya como uma coisa errada e feia em momento algum, vivi todas as fases com eles, desde o entendimento do que estava acontecendo, ao o lutar contra, enquanto eles lutavam contra o sentimento, eu só faltava levantar uma faixa de torcida aqui, até tudo que aconteceu até o momento final. Aguenta coração!!!

A autora levanta várias bandeiras, fala sobre o incesto nos Estados Unidos, sobre como é considerado crime mesmo de forma consensual, aparentemente não é todas as formas de amor que são liberadas pelo mundo mesmo, ela fala também das famílias e as ''funções'' trocadas, fala daquela mãe que coloca o filho no mundo e vai ser feliz, daquele pai que constrói uma nova família e deixa a antiga esquecida, fala de fobias sociais, Loch tem o que os médicos chamam de ansiedade social, que é aquele medo de se envolve, de até falar com pessoas novas, de se expor em público, e aborda também o papel ou não do governo, no caso da assistência social, os cinco irmãos não queriam se separar, mas se descobrissem que eles viviam em uma casa abandonada pela mãe e o pai, iria cada um para um orfanato e aí chegamos novamente a missão de Loch e Maya de ser os pais ali!


Resenha @OVERDOSE: Proibido - Como uma coisa tão errada pode parecer tão certa? - Tabitha Suzuma

Paula Juliana

42 comentários:

  1. Cada vez que leio um post sobre a semana proibido, fico com mais vontade ler rsrs
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. estou com muita vontade de comprar e ja começar a leitura ....vc escreve muito bem e passa tudo certinho
    gostei muito querida nao vejo a hora de ler o proximo

    ResponderExcluir
  3. essa semana você falou tudo em, esse tema é muito falado.
    Pelo o que você fala, eu entro na leitura e me imagino como é a vida dos irmãos mais velhos.

    beijinhos
    falaseriorah.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. adorei teu tema, flor voce escreve muito bem.

    bjinhos.
    http://daamulhervirtuosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Confesso a você, com toda sinceridade, com pureza d´alma, só de ler a resenha, me deu aperto no coração, uma espécie de angústia, de fargilidade, de impotência mesmo, em saber que casos assim, não são fictícios, fico triste, muito, muito, muito triste mesmo, não é nem questão da sociedade aceitar ou não, é uma questão Cristã mesmo, bom, paro por aqui, sou um ser tão pequeno, carente de saber e entender o que se passa, mundo à fora, que não me acho digna de censurar, mas o meu coração, não consegue aceitar, enxergar como lindo, ainda que tenha começado (o que nem deveria) de forma natural. BjusLuz!

    BlØg d4 K@ss!nha GØme$

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ka! Que comentário lindo, espero que leia, que pegue bem a essência da obra e que se deixe envolver por todos os sentimentos e emoções que envolvem essa leitura! Obrigada pelo comentário amada!
      Beijosssssssssss

      Excluir
  6. Oiii
    Adorei o tema,muito bom.
    e você tem talento para escrever.adoreiii
    Bjss
    http://www.vocechicbonita.com.br/

    ResponderExcluir
  7. que lindo tudooo, vou pesquisar um pouco mais obre a editora do livro
    amei o post, esta um arraso como sempre
    bjs
    http://clubedabelezaemaquiagem.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Eu li sobre o livro em outro blog tb, e achei bem interessante a abordagem dele, nos faz parar pra pensar como estamos criando nossos filhos, e mesma fiquei pensativa rsrrsrs, muito bom mesmo. bjs

    ResponderExcluir
  9. muito legal a abordagem feita no livro, nos leva a refletir sobre a questao familia, negligencia. amei!
    beijao

    ResponderExcluir
  10. É polêmico, porém quanto mais vou lendo sobre a história mais quero ler o livro inteiro.
    Bom finde Paula! Bjs

    ResponderExcluir
  11. É polêmico, porém quanto mais vou lendo sobre a história mais quero ler o livro inteiro.
    Bom finde Paula! Bjs

    ResponderExcluir
  12. Nossa,fiquei até um pouquinho nervosa.
    Já disse que tenho sindrome de pânico né?
    Quer dizer a minha avó Célia,mas ela enfrenta esses medos.
    Mas dá calafrio esses tipos de livro nela.
    Bjss Célia Lima

    ResponderExcluir
  13. Fiquei curiosa...seu comentário está tão bom que vou anotar para quando tiver um tempinho ler...
    Bjcasss

    ResponderExcluir
  14. Muito legal aesse projeto da semana proibido nos faz refletir muitas coisas beijos

    ResponderExcluir
  15. É um projeto interessante, porque aguça a nossa curiosidade
    e vontade de desvendar os mistérios do livro,
    muito boa forma de instigar nossa curiosidade Paula!
    O nome já está anotado, num dia desses quando a vontade de ler voltar, será um dos primeiros que vou comprar ...

    Bjos
    Minda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minda! Compre e leia mesmo, quando surgiu essa semana de Proibido eu fiquei bem animada, pois falar e indicar um a obra que sou apaixonada é sempre um prazer! Obrigada pelo comentário amada!
      Beijos

      Excluir
  16. Parece que quanto mais vou lendo sobre a história mais quero ler o livro inteiro, estou muito curiosa pra ler ele

    ResponderExcluir
  17. Impactante do tema, fiquei querendo saber mais lendo o livro hein, deve mexer bem com o psicológico da pessoa.
    ✡✡Blog Com Mãos de seda ✡✡
    ✡✡Fan Page do Blog✡✡
    ✡✡Participem de nosso Grupo✡✡

    ResponderExcluir
  18. Te mais proibido? eu amei ler esse livro com vc, amei bjs

    ResponderExcluir
  19. Também já sentir essa sensação de ficar olhando para o teto me perguntando e agora, de sentir o coração apertado e chorar, é um sentimento que só quem já sentiu pra saber como é, me interessei pela história desse livro.

    Bjs Plumas e Paetês

    ResponderExcluir
  20. Oi :)
    Eu não conhecia este livro .. Nao costumo ler muito este gênero mas gostei pela sua escrita, parece ser realmente bem instigador ..beijos ❤

    ResponderExcluir
  21. Não conhecia esse livro, mas parece bem interessante! gostei da resenha e me interessei! bjo

    ResponderExcluir