sábado, 18 de março de 2017

[Para quem ainda não descobriu o escuro...] Especial #Darkside Overdose Literária #Resenhas # Zé do Caixão - Maldito - A Biografia - André Barcinski

[Para quem ainda não descobriu o escuro...] Especial #Darkside Overdose Literária #Resenhas # Zé do Caixão - Maldito - A Biografia - André Barcinski


Resenha: Zé do Caixão - Maldito - A Biografia - André Barcinski
Classificação: 5/5
Editora: DarkSide® Books

Sinopse: Zé do Caixão - Maldito - A Biografia - André Barcinski
Ele veio ao mundo numa sexta-feira 13, em março de 1936. Quase oitenta anos depois, José Mojica Marins construiu um legado artístico incomparável em nosso país e se consagrou como um dos grande mestres do Terror mundial. O público conhece sua voz gutural, as infindáveis garras que ele chama de unhas, sua barba cerrada e suas roupas, incluindo capa e cartola, sempre escuras como a noite. Mas até que ponto o Brasil reconhece toda genialidade do homem por trás do mito? Em Zé do Caixão – Maldito, a Biografia, os jornalistas André Barcinski e Ivan Finotti desenterram todos os segredos do passado de José Mojica, da infância humilde nos subúrbios de São Paulo até sua consagração internacional. Um dos cineastas mais produtivos do Brasil, Mojica escreveu, dirigiu, produziu e atuou em mais de trinta filmes, como os clássicos À Meia Noite Roubarei Sua Alma, Esta Noite Encarnarei No Teu Cadáver e O Despertar da Besta. Mojica aprendeu a fazer cinema sozinho, na marra, usando os recursos disponíveis e formando seus próprios técnicos e atores. Como resultado, o mundo ganhou um artista genuinamente brasileiro, que jamais precisou copiar fórmulas estrangeiras. 
A biografia, publicada originalmente em 1998, estava há muito tempo fora de catálogo. Uma heresia que a DarkSide Books não poderia perdoar. Muitas sextas-feiras 13 depois, Zé Do Caixão – Maldito, a Biografia está sendo relançada pela DarkSide, numa edição à altura do genial diretor – e também padrinho da editora. Com 666 páginas (200 a mais que a antiga versão), o livro conta com muitas fotos inéditas, filmografia atualizada e acabamento luxuoso em capa dura.



''O que é a vida?
É o princípio da morte.''

Você que não ler essa resenha até o final e divulga-la entre seus amigos SE PREPARE que seus cabelos se percam, que suas unhas escureçam, que não encontre mais a luz do dia... HAHAHA!!!!!!

Não caros leitores, a blogueira que vos fala não enlouqueceu, não está ainda amaldiçoando por nada, isso tudo foi para entrar no clima de um dos personagens mais macabros do horror nacional! E falando de personagens, nós que vivemos no mundo da literatura muito falamos sobre a importância de um bom personagem, de um personagem bem desenvolvido, um personagem que seja marcante, aquele que não seja somente mais UM, mas sim O PERSONAGEM! Lendo a Biografia de José Mojica lançada luxuosamente pela nossa Darkside consegui encontrar um desses O Personagem, pelo menos o personagem DA VIDA de Mojica, nosso velho e eterno Zé do Caixão.

''O que é a morte?
É o fim da vida.''

Falar do que foi essa leitura para mim não vai ser uma tarefa fácil. Uma biografia que conta desde o que foi as origens desse homem, antes de seu nascimento, como era sua família, como seu pai conheceu sua mãe, o que foi a infância de Mojica, o papel que o cinema teve no seu desenvolvimento infantil, adolescente, o homem que se tornou, sua obsessão artística, posso dizer, sua paixão pela arte, Mojica e seus filmes, a origem do personagem que iria interpretar sua vida toda, sua carreira, sua criatividade para produzir filmes, seu talento de ser digamos manipulador com seus alunos e colegas de trabalho, seus muito romances, suas muitas mulheres, seus muitos filhos, sua entrada no mundo do horror, auge da carreira, declínio, seus muitos problemas financeiros, sua trajetória pelo mundo porno... Mojica tem uma senhora história, por onde passava ia deixando seu rastro e gerando polêmicas. 

Sempre que leio uma biografia, um dos elementos que me incomodam um pouco no gênero é a falta da ficção em si, e foi tão engraçado, até irônico, que encontrei nessa obra a ficção e o não ficcional, uma história dentro de muitas e muitas histórias. Um homem que viveu para suas histórias e pelo prazer de conseguir produzir, fazer, contá-las para as pessoas, tentando sempre fazer da melhor forma que conseguia, buscando a perfeição, do mesmo modo que seu personagem Zé buscava o filho perfeito!

''Sou um revoltado... Contra os tolos como vocês, que temem o que não veem e se tornam escravos do que realmente existe, a vida! Por que temer a vida? É ela que faz vibrar sua carne, que alimenta seus sentimentos, e se você não for mais forte, não combatê-la, será dominado e sofrerá.'' 

Gosto muito do estilo horror, do mesmo modo que gosto do sobrenatural, do obscuro, do terror, mas nunca tinha tido contato com o horror nacional e nunca um que começou lá por 1963, nunca tinha parado para assistir um filme preto e branco, uma obra do cinema feita a moda antiga, e depois de ler essa biografia, tão bem detalhada, tão direta, tão sem medo, procurei e conheci um mundo novo.
Acredito que realmente tenho que elogiar a coragem do escritor, e a coragem do próprio Mojica, por abrir sua vida a tal ponto nessas 666 páginas, alguns esconderiam determinados fatos, alguns ficariam com medo das críticas, do que as pessoas iriam pensar! Mojica não é santo, ele fez muita coisa que é politicamente incorreta nos padrões da nossa sociedade ou dos religiosos, algumas coisas que eu como leitora e mulher realmente não gostei, mas foi estritamente corajoso e verdadeiro em escancarar toda suas trajetória profissional e pessoal. Por isso tiro meu chapéu para Mojica e principalmente para seu personagem que é um achado para a cultura Brasileira e se mescla de muitas formas com toda a nossa história nacional.

''O que é a existência? 
É a continuidade do sangue.''

O Zé do Caixão: Um coveiro dono de um sarcasmo assustador, personagem sintomático, autêntico precursor do terror nacional, assassino. Um ser que busca o filho perfeito, vive em um universo demencial, bestial, desumano, e alucinante. É o mal dito ou simplesmente maldito. Come carne de carneiro em plena Sexta-feira santa, zomba das religiões, toma pinga de macumba, assopra fumaça na cara das beatas! Um vilão bem construído, Mojica toma referencia do cinema mudo, faz trocadinho, utiliza do horror e da fotonovela, do grotesco e do que é mal visto pela sociedade, principalmente a da sua época e de seu convívio social. 

Mojica vivia tendo ideias, construindo ''fitas'' do nada com muita criatividade, fazia muito sucesso e continuava sempre duro. Realmente o que esse homem tem de talento e persistência dentro de sua vida artística, tem também de ruim negociador.
A escrita da biografia é fácil, uma leitura rápida e continua, que toma ainda melhor forma com as imagens, fotos, artigos, e críticas que encontramos ao longo da obra.


Zé do Caixão - Maldito de André Barcinski que conta a história de José Mojica Marins é uma tremenda obra, além de linda, uma edição de luxo ESPETACULAR, é estritamente rico, mostra homem, BESTA, personagem, arte em muitas formas dentro da vida de um só SER, agora fica a pergunta... Onde realmente começa Mojica e termina Zé? Até onde criador e cria se mesclam? Até onde José Mojica iria por seu personagem e pelo cinema nacional? Quanto a mim, somente posso agradecer pela possibilidade de conhecer tantas histórias e a vida de um homem intenso e criativo e pedir para nosso Zé do Caixão que proteja o Blog Overdose Literária e crie muitas maldições para os dark inimigos!!!!

''O que é o sangue?
É a razão da existência.''

Paula MALDITA Juliana

Nenhum comentário:

Postar um comentário