Pular para o conteúdo principal

Resenha: Pegando Fogo - Rosemary Beach # 13 - Abbi Glines

Resenha: Pegando Fogo - Rosemary Beach # 13 - Abbi Glines
Classificação: 5/5 ♥ Favorito
Editora: Arqueiro
Skoob


Sinopse: Pegando Fogo - Rosemary Beach # 13 - Abbi Glines

Nan Dillon, a bad girl de Rosemary Beach, é uma garota imatura e egoísta que não tem outra preocupação na vida a não ser manter o corpinho perfeito. Só que Nan está longe de ser feliz: nunca teve o amor dos pais, o irmão adorado não tem mais tempo para ela, e Grant, o único homem de quem gostou de verdade, resolveu trocá-la pela meia-irmã dela.Então, quando Major Colt a convida para sair, ela não pensa duas vezes. Apesar de saber que esse texano charmoso e de fala mansa não quer nada sério, ficar com ele é melhor do que estar com as colegas fúteis ou passar as noites sozinha vendo televisão. Mas logo Nan fica farta do comportamento descompromissado de Major e, depois que ele a deixa plantada em casa mais uma vez, decide ir a Las Vegas para um fim de semana sem regras e sem limites. Lá, conhece Gannon, um empresário sedutor e perigoso que sempre diz exatamente o que ela quer ouvir. Quando Major vai atrás dela implorar por uma segunda chance e Gannon mostra que não é tão perfeito quanto ela pensava, Nan tem que decidir a quem entregar seu coração. O que ela não percebe é que os dois têm uma estratégia de longo prazo para ela - e já estão várias jogadas à sua frente.

''Vilões não nascem vilões. Isso era algo que eu havia aprendido na prática. Que havia testemunhado várias vezes.''

Surpresa! 
Surpresa é a melhor palavra para descrever essa obra, Nannete ou simplesmente Nan vêm sendo uma personagem para lá de polêmica há pelo menos doze livros ao longo da Série Rosemary Beach da autora Abbi Glines, então como leitora estava completamente curiosa de como seria minha relação com a história dela, quando enfim no seu livro, ela seria a grande protagonista. Pegando Fogo foi a obra da série que li mais rapidamente, devorei o livro em menos de vinte e quatro horas, e calando todos os meus medos, criticas e preconceitos para com a personagem, ADOREI cada segundo.

Nan de malvada, carente e superficial se tornou a personagem mais profunda e real da saga, Abbi foi genial na construção dessa personagem, fez Nannete ser criticada e odiada para então ser completamente e surpreendentemente amada. Nan é completamente consciente de todos os seus defeitos, e não briga com eles, ela os aceita, os abraça, são eles que fazem ela ser tão ela mesma, é uma personagem que se aceita, porém, tem uma visão muito deturpada de si, várias vezes ela se refere a ela mesma como a mulher que não merece um final feliz, que não merece ser amada, isso reflexo de seu passada, sua criação e sua infância, já foi tão machucada e rejeitada que se tornou amargurada e até descrente quanto ao amor. Nan vêm com uma bagagem tão grande e pesada que é impossível não se solidarizar. E ela é forte, muito forte e soube esperar para que sua hora enfim chegasse. 

O livro é tão bom que começa nos apresentando mais profundamente dois personagens masculinos e é uma trama tão não linear, que em determinada hora nem nós leitores, sabemos quem é o mocinho, isto é, se existe mesmo um mocinho nessa história em especial.

O enredo não é muito simples de se sintetizar, Nan talvez tenha se metido em algo bem maior que ela e nem sonha com isso, o negócio é tão feio que está sendo vigiada. Major entrou na vida de Nan com a missão de conquistar seu coração e confiança para assim tirar informações sobre um famoso traficante de drogas, não sabendo até onde a moça sabe e se era inocente ou culpada, Nan estava sendo investigada pela organização que tem por objetivo ''apagar'' pessoas ruins, essas em sua maioria com relação com abuso infantil. 

Nan como sempre se meteu com o cara errado, porém a missão de Major estava indo de ruim para cada vez pior, pois a nossa heroína de boba não tem nada e sabia que Major não era um homem confiável, é ai que entra na história outro personagem chave, este que vou tentar falar o mínimo possível, e foi o personagem mais brilhante nesta narrativa.

''Eu só conhecia um mundo sombrio.''

Pegando Fogo é uma obra muito gostosa, um livro intenso para ser devorado, é quente como era de se esperar, conseguiu ultrapassar todas as minhas expectativas e se tornou mesmo o meu livro preferido de todos da série Rosemary Beach. A escrita da  autora Abbi Glines está mais gostosa que nunca, a história é um emaranhado de surpresas e acontecimentos, como leitora foi uma obra que me fez torcer, vibrar, exclamar, me tirou de orbita, me jogando dentro da história e me fazendo perder a noção de tempo e espaço. 
Uma história de tirar o fôlego e só parar de ler quando se chega a página final! Recomendadíssimo!


''Palavras escritas eram tocante. E, por mais que eu não quisesse admitir, despertavam algo em mim. Faziam os muros a minha volta cederem um pouco mais a cada toque. Faziam com que eu me sentisse menos inatingível e mais real.''

Paula Juliana

Comentários

Últimas Postagens Overdose:

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson

Resenha: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson Classificação: 5/5 ♥ Favorito  Editora: Companhia das Letras Skoob
Sinopse: Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Millennium # 1 - Stieg Larsson Os Homens que Não Amavam as Mulheres - Vem da Suécia um dos maiores êxitos no gênero de mistério dos últimos anos: a trilogia Millennium - da qual este romance, Os homens que não amavam as mulheres, é o primeiro volume. Seu autor, Stieg Larsson, jornalista e ativista político muito respeitado na Suécia, morreu subitamente em 2004, aos cinqüenta anos, vítima de enfarte, e não pôde desfrutar do sucesso estrondoso de sua obra. Seus livros não só alcançaram o topo das vendas nos países em que foram lançados (além da própria Suécia, onde uma em cada quatro pessoas leu pelo menos um exemplar da série, a Alemanha, a Noruega, a Itália, a Dinamarca, a França, a Espanha, a Itália, a Espanha e a Inglaterra), como receberam críticas entusiasmadas. O motivo do sucesso reside em vá…

Resenha: Dez coisas que aprendi sobre o amor - Sarah Butler

Resenha: Dez coisas que aprendi sobre o amor - Sarah Butler
Classificação: 5/5 ♥ Favorito 
Editora: Novo Conceito
Skoob

Sinopse: Dez coisas que aprendi sobre o amor - Sarah Butler
Dez coisas que aprendi sobre o amor - Por quase 30 anos, quando a brisa de Londres torna-se mais quente, Daniel caminha pelas margens do Tâmisa e senta-se em um banco. Entre as mãos, tem uma folha de papel e um envelope em que escreve apenas um nome, sempre o mesmo. Ele lista também algumas coisas: os desejos e o que gostaria de falar para sua filha, que ele nunca conheceu. Alice tem 30 anos e sente-se mais feliz longe de casa, sob um céu estrelado, rodeada pela imensidão do horizonte, em vez de segura entre quatro paredes. Londres está cheia de memórias de sua mãe que se fora muito cedo, deixando-a com uma família que ela não parece fazer parte. Agora, Alice está de volta porque seu pai está morrendo. Ela só pode dar-lhe um último adeus. Alice e Daniel parecem não ter nada em comum, exceto o amor pelas estrelas,…

Resenha: Chamas na Escuridão - After Dark - Livro 01 - Sadie Matthews

Resenha: Chamas na Escuridão - After Dark - Livro 01 - Sadie Matthews
Classificação: 4/5
Editora: Companhia Editora Nacional
Skoob

Sinopse: Chamas na Escuridão - After Dark - Livro 01 - Sadie Matthews
Chamas na Escuridão - Essa série provocante vai cativar, envolver e, até mesmo, ‘intoxicar’ a leitora como nenhuma outra. Perfeita para aqueles que amaram 50 Tons de Cinza, mas ficaram querendo mais... A história central se passa em Londres, nos bairros mais badalados dessa encantadora cidade. Mas os protagonistas, Beth - graduada em História da Arte, e Dominic – consultor do mercado financeiro, vão se aventurar também na Croácia, Turquia e NY. Profundamente intensa, romântica, provocante e sensual, essa série vai levar a leitora a um lugar onde o amor e o sexo são liberados de seus limites. Fãs de E.L. James e Sylvia Day vão se manter acordados até tarde da noite com “Chamas na Escuridão”.


''Não há prazer sem dor. Não há paixão sem sofrimento. Prefiro me sentir viva a viver em seguran…