quinta-feira, 2 de novembro de 2017

''Vejo um mundo na corda bamba. Sem equilíbrio, ele cai.'' @ARainhaVermelha @Seguinte

''Vejo um mundo na corda bamba. Sem equilíbrio, ele cai.'' @ARainhaVermelha @Seguinte


A Rainha Vermelha é um livro complicado de se resenhar, encontramos um mundo inteiramente novo, um enredo mega original, personagens que são envolventes e ao mesmo tempo são misteriosos, são personagens que ficamos analisando o tempo todo, tentando compreender o que estão fazendo, o que acreditam, como são, se estão realmente se mostrando ou são belas e montadas máscaras que vestem! 

Sofri lendo, confiei, por fim não sabia mais para quem torcer, em quem acreditar! 
A história é crítica e totalmente política, porém mistura vários elementos que sou apaixonada, como a distopia no caso de todo o enredo e toda essa sociedade dividida e escravizada, e o sobrenatural nos poderes da elite de sangue prateada, com ação em batalhas totalmente sanguinárias e de tirar o fôlego! 
O romance como na maioria das distopias é uma ferramenta e não o grande foco, ele está presente, faz parte da história, mas é soterrado por todos os confrontos, mentiras e intrigas!

''Entende mesmo, príncipe? Entende como é ser arrancada de tudo o que ama, forçada a ser outra pessoa? Mentir a cada minuto de cada dia pelo resto da vida? Saber que há algo errado com você?''

Mare é uma personagem forte, porém mesmo acreditando que nunca seria levada por esse mundo ela se mete em um jogo de gente grande, muito maior que ela, vira um peão no tabuleiro e não percebe isso. Toda a narrativa é muito boa, a autora vai dando pistas do que está acontecendo, dando pistas das verdadeira faces dos personagens e ao mesmo tempo nos engana e nos ilude, particularmente amo ser iludida por uma boa história e amo o sentimento de desespero das situações finais! 

''Vejo um mundo na corda bamba. Sem equilíbrio, ele cai.''

Alguns fatos que ficam claros desde a primeira página são: que a Rainha é uma vadia sem coração, que os prateados são em sua maioria um povinho ruim e que se acham superior e que os vermelhos são os descartáveis. O Rei bom ou mal só quer que tudo se mantenha como está, a guerra nunca vai acabar e que Mare se meteu em uma furada!

Então conhecemos os dois príncipes! Sou bem sincera, eu como muitas mulheres leitoras sou uma leitora fácil, os príncipes me ganharam nas primeiras frases, e não me importei com a cor do sangue deles, só que ao longo da leitura vamos nos questionando sobre a sinceridade de cada um, geralmente nessas histórias nada é como parece ser. E eu tinha em mente que deveríamos ter nesses dois personagens o grande vilão e o grande mocinho! Porém, quem é quem? Quem é o lobo em pele de cordeiro? Quem está enganando Mare? Quem está nos enganando? Cal o primeiro príncipe? Aquele que é perfeito, bom, justo, o futuro Rei? Aquele que quer conhecer seu povo, mas tem medo da mudança? Ou o jovem Maven, noivo da futura princesa vermelha? Aquele que é gentil, o segundo filho, o que vive na sombra do irmão perfeito? Que quer mostrar seu valor e ser ouvido? Ambos os príncipes são ARDENTES, isso é, controlam o fogo, e Mare nessa disputa real pode ser queimada! 

Por escolha minha, não revelei o poder de Mare, assim como não revelei o meu príncipe favorito, aquele que acreditei no caráter e coração do começo ao fim! 

''O ambiente tremula com o calor que a pele de Maven irradia. Me vem à cabeça o temperamento reservado de Cal. Aparentemente, o irmão mais novo também esconde um fogo, até mais potente, e não quero estar perto quando explodir.''

A Rainha vermelha foi uma obra que queria ler a bastante tempo, estava bem ansiosa e assim que chegou larguei tudo que estava fazendo para começar, e não me arrependi, queria que a parte romântica da obra tivesse sido um pouco mais forte, apesar de presente o foco foi sim na sociedade e no poder que cerca todos os seres e seus sangues, foi uma leitura maravilhosa, daqueles que você lê de uma vez só, porque quer saber tudo e não consegue desgrudar, estou com grandes expetativas para o segundo livro, gostei muito de como terminou esse volume, todo o sofrimento, e agonia valeram cada minuto da minha leitura, os suspiros enganosos ou não também, toda a emoção e toda a adrenalina contidos na história fizeram um brilhante livro mergulhado em vermelho e prata! Recomendadíssimo! 

''- Quantos? - grito em resposta, reunindo forças para encará-los. - Quantos morreram de fome? Quantos foram assassinados? Quantas crianças foram levadas para a morte? Quantos, meu príncipe? ''


Paula Juliana
Editora Seguinte

quarta-feira, 1 de novembro de 2017

''Emily Giffin definitivamente sabe passar sua mensagem. Amor. Família. Perdão.'' @NovoConceito

''Emily Giffin definitivamente sabe passar sua mensagem. Amor. Família. Perdão.'' @NovoConceito 


Amor. Família. Perdão.
Vidas marcadas por um trágico acontecimento. Palavras e atitudes ditas, e ou não ditas que mudam vidas...

Emily Giffin definitivamente sabe passar sua mensagem. O Amor em Primeiro Lugar foi uma leitura digamos que um pouco inusitada, o título nos remete a uma história romântica, mas o foco dessa leitura vai muito além. Já conhecia a escrita da autora, sua maneira de contar histórias e mesmo assim a obra foi uma surpresa, por vezes direta e curta, por vezes longa e extensa, e muitas vezes mexendo com minhas emoções. Quando comecei a ler não sabia nada do que iria encontrar e gradativamente fui encontrando a história e me encontrando nas personagens.

Um livro sobre família. 
Um livro sobre duas mulheres, duas irmãs, que não podiam ser mais diferentes, e que mesmo assim tem suas vidas marcadas pela sombra de um acidente. 
Conhecemos Josie e Meredith, IRMÃS, duas irmãs, e acima de tudo irmãs de DANIEL, este que falece logo nas primeiras páginas da obra e dita os atos e rumos, os caminhos que suas irmãs irão trilhar. 

É fácil culpar uma tragedia, é fácil colocar a culpa dos acontecimentos de sua vida em um acidente ou no destino, mas cada um vive seu luto de uma maneira, e em uma família unida, que tem como a cola disso tudo um bom menino, um bom homem, bom filho e irmão, que não merecia morrer, mas acidentes acontecem, o mais difícil é lidar com essa perda.
Anos se passaram após o acidente que levou o irmão dessas mulheres e suas vidas não tomaram o rumo esperado, Josie e Meredith, a positiva e a negativa, a professora e a advogada que sonhava em ser atriz. 

Josie queria um amor, um marido, um casamento com filhos, principalmente filhos, aos 37 anos nunca teve isso, é professora do primeiro ano, vive uma obsessão por seu ex, Will, que é muito bem casado e com uma filhinha, esta que está na classe que Josie dará aulas esse ano.

Meredith largou o sonho de ser atriz e virou advogada, a mulher que não queria casamento, casou com o melhor amigo do seu irmão e teve uma linda filhinha, mas não está vivendo a vida que queria, Meredith está vivendo digamos que uma crise pessoal, está infeliz e insatisfeita, e isso transborda em todas as suas relações, principalmente com seu marido, e com sua irmã, que NUNCA teve um bom relacionamento e que piorou muito após a morte de Daniel.

A obra é intercalada sob a perspectiva das duas irmãs, um capitulo para Josie, um para Meredith, e assim sucessivamente, em primeira pessoa, é difícil não se envolver com as vidas dessas personagens e não mergulhar nas suas frustrações, sonhos e rancores, é legal também ver como uma vê a outra, e como os olhares são diferentes. 
Confesso que amei Josie, gostei muito do seu modo de olhar a vida, da sua busca corajosa pelo que quer, e também pela sua coragem de encarar seus fantasmas em certo ponto da história, ela para mim é a irmã amada. 

Meredith me incomodou muito, principalmente pela maneira de agir com os outros e essa insatisfação, que a tornou uma mulher muito amarga, ela queria a liberdade da irmã, dizia que Josie sempre fazia o que queria quando queria, mas a verdade era que sua vida não saiu como sonhou e invejava a irmã pela coragem. Claro, que aqui estamos falando do meu envolvimento com as duas, o que interpretei dessa relação entre elas, nenhuma delas era perfeita, de certo modo Josie também queria o que Meredith tinha, o que me fez digamos, que ficar do lado de Josie e gostar mais de sua parte da história foi a visão de vida da personagem e como ela encarava e olhava o mundo. 

O livro é muito bonito, por várias vezes, principalmente quando Daniel é citado me emocionei muito. A lição é digna de ser lida, toda a relação das irmãs tem uma finalidade, a história e os fatos que aconteceram na noite do acidente vão se revelando, se conectando, e ao mesmo tempo que vamos conhecendo a história, vamos nos envolvendo com as irmãs, família e amigos.
Josie decide ser mãe sozinha, Meredith decide dar um basta no que não à está fazendo feliz. É uma história não só sobre perdas e maternidade, é uma história que fala sobre a busca pela sua felicidade e como é difícil aceitar e mudar o que não está bom.

Um drama sobre amor. Torci muito pelas duas irmãs, em um determinado ponto tudo se resume ao perdão, a aceitação e ao amor. Emily Giffin escreve lindamente. O livro tem um ritmo próprio, aqui não se vai achar grandes aventuras, ou paixões alucinantes, são histórias de vidas que podem acontecer com quaisquer pessoas, ou com muitas famílias, são histórias reais, que falam sobre sentimentos. O Amor em Primeiro Lugar é tocante e sensível, falando sobre o que no fundo realmente importa! Recomendo!


Paula Juliana
Editora Novo Conceito

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

Resenha: Mistério em Chalk Hill - Susanne Goga

Resenha: Mistério em Chalk Hill - Susanne Goga
Classificação: 5/5 Favorito
Editora: Jangada
Skoob

Sinopse: Mistério em Chalk Hill - Susanne Goga

Em 1890, depois de um escândalo que afetou sua reputação, Charlotte Pauly deixa Berlim e vai lecionar para a pequena Emily, em Chalk Hill, uma mansão vitoriana nos arredores de Londres. Charlotte logo percebe uma estranha atmosfera na antiga casa. A menina de 8 anos é sempre atormentada por pesadelos e visões fantasmagóricas da mãe, que se afogou no rio da propriedade em circunstâncias misteriosas. Quando Charlotte tenta saber a respeito da morte de Lady Ellen, o pai de Emily, Sir Andrew, reage com hostilidade. Com tudo envolto em um grande mistério, somente com a ajuda de Tom Ashdown, um jornalista londrino designado para investigar o caso, é que Charlotte poderá verificar o que há por trás dos fenômenos sobrenaturais que assolam a mansão e descobrir uma trágica verdade escondida nas paredes de Chalk Hill...

Minha Nossa Senhora dos PRAZERES... Obrigada por um romance de época como essa obra!!!! Fazia um certo tempo que minha leitora interior estava sedenta por um romance como Mistério em Chalk Hill, um romance que te pega pela curiosidade, te joga na parede das charadas e te inspira com um lindo e palpável suspense! A atmosfera do romance é tensa, não é um terror, quem está em busca de aparições, e aquele ''bu'', estilo gritaria não vai achar, Chalk Hill tem CLASSE! A atmosfera é tensa, conseguimos sentir toda a agonia e curiosidade em cada página. 

Somos apresentados primeiramente a preceptora Miss Charlotte Pauly, que vêm há Londres em busca de uma vida nova, fugindo de seus próprios fantasmas deixados na Alemanha. Charlotte entra em Chalk Hill sabendo pouco de sua história, tudo que sabe é que vai ser a preceptora, que é digamos uma professora de alto nível para as damas da época, da doce Emily, um anjinho de oito anos que acabou de perder sua mãe.

Miss Pauly acaba percebendo algumas coisinhas, primeiro que Emily era muito apegada a sua mãe e sente muito a sua falta, como já era de se esperar, também que tem sua babá ainda presente na sua vida e interferindo em sua educação, e depois que seu pai Sir Andrew, apesar de um pai zeloso, é também frio e distante. Charlotte sente algo no ar, algo pesado e estranho, somente não sabe o que é, logo vê que a família não costuma falar sobre Lady Ellen e que sua morte é sim um mistério. UM MISTÉRIO QUE VAI ALÉM DAS ÁGUAS...

Então de uma forma harmoniosa e muito gostosa, quase como uma dança de sutilezas, somos pouco a pouco apresentados aos dilemas desse enredo, e juntamente com Miss Pauly vamos descobrindo e desvendando certos pontos que pareciam soltos até o momento. 

A história se apresenta de uma forma muito fluida, começamos a se questionar e criar perguntas com o Mistério inicial, Emily é uma linda florzinha, e ela sofre, é atormentada, em todos os momentos queremos saber o que aflige a pequena, como leitora eu devorei a obra pois precisava saber até onde ia o místico, o sobrenatural. Em outro ponto da história, como um paralelo conhecemos Tom Ashdown um critico teatral que perdeu sua mulher e de uma forma inusitada e até cética, acaba entrando numa sociedade que estuda eventos paranormais, estuda sua veracidade. Tom é um instrumento fundamental para o desenrolar do enredo de Chalk Hill e juntamente com Charlotte pode vir a salvar a vida da pequena Emily e dos demais moradores da casa.
  
Susanne Goga escreve lindamente, descreve uma Londres vitoriana muito charmosa, um 1890 que qualquer um queria conhecer e viver, pelo menos um pouquinho, sou apaixonada por romances de época, esse em especial é moldado pelo mistério, seu enredo é delineado de um modo que entramos na história de uma forma íntima, tendo uma visão geral dos fatos, o romance romântico não é o foco, mas existe, e de uma forma muito respeitosa e natural.

Adorei a escrita, amei a obra, e matei a charada. O livro podia nos levar por alguns caminhos e gostei do empregado, foi muito condizente com o enredo inicial e de uma forma até maldosa com o leitor, trouxe uma realidade crua e dolorida, com um gostinho de história de amor em todos os sentidos. Mistério em Chalk Hill de Susanne Goga é um suspense de tirar o chapéu com personagens muito bons e uma escrita de outro mundo... ou não! Ai vocês terão que ler e embarcar nesse mistério coberto de barulhos, florestas, rios e coisas pra lá de inexplicáveis.

Paula Juliana

terça-feira, 12 de setembro de 2017

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte V - O Rio De Janeiro

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte V - O Rio De Janeiro

Rio de Janeiro - Museu do Amanhã


O Museu do Amanhã é um museu de ciências diferente. Um ambiente de ideias, explorações e perguntas sobre a época de grandes mudanças em que vivemos e os diferentes caminhos que se abrem para o futuro. O Amanhã não é uma data no calendário, não é um lugar aonde vamos chegar. É uma construção da qual participamos todos, como pessoas, cidadãos, membros da espécie humana.

E por que um Museu do Amanhã? Porque vivemos em uma nova era, em que o conjunto da atividade humana tornou-se uma força de alcance planetário. Somos capazes de intervir na escala de moléculas e de continentes. Manejamos átomos e criamos microrganismos artificiais. Desviamos o curso de grandes rios, alteramos florestas, influenciamos a atmosfera, transformamos o clima. Habitamos um planeta que vem sendo profundamente modificado por nossas ações. Que amanhãs serão gerados a partir de nossas próprias escolhas?




O Museu do Amanhã oferece uma narrativa sobre como poderemos viver e moldar os próximos 50 anos. Uma jornada rumo a futuros possíveis, a partir de grandes perguntas que a Humanidade sempre se fez. De onde viemos? Quem somos? Onde estamos? Para onde vamos? Como queremos ir?


Orientado pelos valores éticos da Sustentabilidade e da Convivência, essenciais para a nossa civilização, o Museu busca também promover a inovação, divulgar os avanços da ciência e publicar os sinais vitais do planeta. Um Museu para ampliar nosso conhecimento e transformar nosso modo de pensar e agir.




O Museu do Amanhã é uma iniciativa da Prefeitura do Rio, concebido e realizado em conjunto com a Fundação Roberto Marinho, instituição ligada ao Grupo Globo, tendo o Banco Santander como Patrocinador Master. Conta ainda com a Shell como mantenedora e o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado do Ambiente, do Governo Federal, por intermédio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e da Lei Federal de Incentivo à Cultura.


Em 2016, o Museu fechou mais uma importante parceria com a Cisco, denominada Parceria Tecnológica.


A instituição faz parte da rede de museus da Secretaria Municipal de Cultura. O Instituto de Desenvolvimento de Gestão (IDG), organização social de cultura sem fins lucrativos vencedora da licitação promovida pela Prefeitura do Rio, é responsável pela gestão do Museu.

O Museu do Amanhã por dentro:


 

''O Museu do Amanhã é um museu de ciências diferente. Um ambiente de ideias, explorações e perguntas sobre a época de grandes mudanças em que vivemos e os diferentes caminhos que se abrem para o futuro. O Amanhã não é uma data no calendário, não é um lugar aonde vamos chegar. É uma construção da qual participamos todos, como pessoas, cidadãos, membros da espécie humana. 



Otimize a sua visita! Explore todas as áreas do Museu e detalhes de funcionamento.''



Clique aqui e confira todos os serviços que o Museu oferece para os nossos visitantes.


PROGRAMAÇÃO


O Museu do Amanhã para mim:

O Museu foi meu ponto turístico preferido, minha curiosidade era imensa e quando cheguei lá fiquei deslumbrada com sua beleza, de uma forma moderna, o museu é lindíssimo, tanto por dentro quanto por fora, todas as experiências vividas dentro daquele lugar são validas e dotadas de pura sensibilidade e sustentabilidade, é um lugar para se admirar e se refletir.

Para mim foi coberto de surpresas e emoções, minha única critica foi pessoal de não ter tanto tempo para ficar lá dentro quanto eu gostaria. Recomendo para todos que passarem pelo Rio conhecer, e também para os nativos Cariocas, vale muito cada minuto lá.
O Museu é todo interativo, conseguimos interagir com as salas e entender suas propostas, seus temas. O preço para entrar também é bem acessível!
 

Paula Juliana

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte V - O Rio De Janeiro

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte V - O Rio De Janeiro

RIO DE JANEIRO - Museu do Amanha
 
 
AquaRio
 
 
Na Bienal - simmm de novo!!!
 
 
Paula Juliana

domingo, 10 de setembro de 2017

Resenha: Entrevistando o demônio - Tony Ferraz

Resenha: Entrevistando o demônio - Tony Ferraz
Classificação: 5/5 Favorito
Editora: Qualis Editora
Skoob

Sinopse: Entrevistando o demônio - Tony Ferraz

A filosofia do pensador Eric Russel é destrinchada nesta obra, onde Tony Ferraz se vale de personagens de seu livro anterior para criar metáforas ardilosamente costuradas. Após ser capturado, um serial killer é enviado para uma prisão de segurança máxima em Thamesmead, Londres. Nicholas Flamme, um psiquiatra inexperiente, é convocado por motivos obscuros para conduzir por vinte e oito dias as entrevistas que serão utilizadas em seu julgamento. Emily é uma atriz que procura fazer carreira no teatro inglês. Estas tramas serão atadas em uma história surpreendente sobre o sentido da vida.

''Os demônios que os outros enxergam sempre nos parecem pequenos, isso porque, são outros que os enxergam''. 

Como diz Tony Ferraz ''Força de espírito sempre'', e olha que esse comentário não poderia ser mais que condizente com sua obra! Quando peguei Entrevistando o demônio em mãos, sabia que devia me preparar para uma senhora leitura, pois após ler a primeira obra do autor O ARTÍFICE, minhas expectativas estavam nas alturas, o que não sabia é que encontraria velhos conhecidos, personagens que capturaram meu imaginário em uma época passada.

Entrevistando o demônio como esperado por mim como leitora vai além da ficção policial, vai além do que eu tenho como conceito de ficção obscura, de terror por falta de palavras melhores, ele vai muito além por sua técnica, sua linguagem, e por seu enredo. É literatura, pura e coberta de metáforas, apresenta personagens que não são preto no branco, são de um assombroso cinza, e é esse tom que deslumbra o leitor.

Em Londres no passado, treze anos antes do episódio no cemitério, Nicholas é chamado para trabalhar no caso de um famoso assassino em série. Haryel está preso em prisão de segurança máxima, Nicholas psiquiatra forense tem 28 dias para conseguir entrevistas que vão ser usadas no julgamento, o que será um desafio pois o serial killer está em estado catatônico desde sua prisão. Nicholas irá usar um método peculiar para seu trabalho a filosofia de Eric Russel, pensador que estuda e que se encontra meio que afastado do mundo naquele momento. Será que um psicopata pode ser curado?!

A história de Nicholas ainda se mistura com a de sua esposa Emily, uma mulher que após deixar de atuar em sua área como publicitária, mergulha na vida do teatro e no seu sonho de trabalhar como atriz.

''... a vida é um rio; seu sentido é o sentido em que ela corre.'' 

Consegui observar a obra em três belas partes, na primeira Nicholas Flamme, um psiquiatra importante se encontra no presente dos fatos, nele conta sua história a um inusitado rapaz que digamos que foi pego no flagra, no corte a seguir, voltamos no passado com Nicholas para entender os fatos que se apresentaram de inicio, e no que eu separei como a terceira parte temos a participação de um narrador observador que vai nos mostrar o ângulo de uma personagem muito importante na trama.

A linguagem do autor é fantástica, ele usa de um elemento que só vi em literaturas antigas, que é quando o narrador conversa diretamente com seu leitor, e várias vezes brinca com o vai e vem entre narrador em primeira pessoa quando Nicholas fala, e narrador observador. Tudo extremamente condizente com o enredo geral e seu objetivo.

Destaque para a edição que está caprichadíssima, capa linda demais, ilustrado por dentro, capítulos impecáveis, o que só deixa a leitura ainda mais prazerosa. 

Em meio a filosofia, e um enredo muito original o leitor entra nesse caso juntamente com Nicholas, somos levados a um toque quase que íntimo com o interior do demônio, a obra é muito bem amarrada, surpreendente ao fim e me pegou pega curiosidade, EU QUERIA saber o que iria acontecer, queria ver Nicholas interagindo com Haryel, queria ver o método Russel em prática. A obra te deixa muito perto dos personagens, até perto demais! O teor reflexivo do homem quanto ao seu caráter, sua abertura pra os meios externos, a forma que tem seus estopins é incrível. Entrevistando o demônio é interessante, profundo, e intenso. Uma obra espetacularmente habilidosa!

''... Eu vendi a minha alma 
Em um dia de outono''

Paula Juliana

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte IV - O Rio De Janeiro

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte IV - O Rio De Janeiro

RIO DE JANEIRO - Jardim Botânico (mais dele!!!)


Lapa e centro <3



Mirante Cristo


 Pão de Açúcar

 Copacabana


Paula Juliana

sábado, 9 de setembro de 2017

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte III - O Rio De Janeiro

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte III - O Rio De Janeiro
 
Rio De Janeiro - Mais do Cristo
 
 
Parque Lage
 
 
Paula Juliana

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Resenha: Seduzida Pelo Perigo - JC Ponzi

Resenha: Seduzida Pelo Perigo - JC Ponzi
Classificação: 5/5 ♥ ♥ Favorito♥ ♥ 
Editora: Qualis Editora
 
Sinopse - Seduzida Pelo Perigo - O destino sempre pode nos pregar uma peça... - JC PonziCatherine Zimermann levava uma vida normal, sem luxos ou grandes ambições. Após perder os pais e um trágico acidente, não conseguiu impedir que seu irmão Chase, desiludido e revoltado com a vida, partisse de sua cidade natal, deixando-a para trás. Desde então, Cath vive um dia de cada vez, cursando sem pressa a faculdade de psicologia e trabalhando em uma lanchonete de dia, para pagar seus estudos à noite. Até que um telefonema inesperado tira sua rotina dos trilhos. Chase está com a voz embargada e desesperada; está encarcerado em um presídio na Califórnia, acusado de estupro e homicídio. Cath fica perdida. Apesar de há muito desconhecer o antigo irmão dócil e carinhoso, nunca imaginara que ele fosse capaz de tremenda brutalidade. Então ela segue para Califórnia, decidida a esclarecer tal história, com ânsia de provar que o que Chase alega é a mais pura verdade: ele é inocente. Mas, para isso, Cath precisa encontrar o verdadeiro culpado. O que fazer quando a verdade que procuramos está bem diante de nossos olhos? O que fazer quando o coração nos trai e nos apaixonamos por quem deveríamos odiar? A vida não possui um roteiro. O destino sempre pode nos pregar uma peça. 

***Resenha escrita por: PAULA JULIANA

Sensacional! Quente! Romântico! DE SURTAR!

Vai ser muito difícil expressar o quanto eu amei essa história. Quem acompanha o blog, sabe que entre os muitos estilos que leio, tenho uma queda muito grande pela literatura erótica. Acho bárbaro como esses romances podem levar as história de uma maneira, que me deixam de queixo caído, que me surpreendem e me envolvem nos enredos!

Com Seduzida Pelo Perigo da autora JC Ponzi, fiquei completamente surtada. Vinha de uma brutal ressaca literária, que para os que me entendem bem, sabem que para te tirar de uma ressaca assim, só um livro forte. E Seduzida, me engoliu logo nas primeiras páginas. Primeiro pela escrita ''devoradora''da autora. JC escreve com classe, com elegância, ela te envolve de tal maneira na história que você não tem opção, que não largar tudo que está fazendo e se entregar para a leitura, você tem que matar sua curiosidade, você tem que descobrir mais sobre seus personagens, você tem que lembrar de respirar, para não perder o fôlego com tamanha emoção. Então pessoas, olhos bem abertos, corações palpitantes e sorrisos nos rostos, pois vou apresentar um pouquinho desse enredo incrível para vocês! 

Catherine Zimermann é uma garota como nós. Vive sua vida calma e normal, com sua família amorosa, com seus amigos de infância, que são mais que fieis e companheiros, uma turminha unida, são eles, seu irmão Chase, sua melhora amiga e namorada de seu irmão, Paty, e seu amigo e namorado Vic. Tudo estava indo muito bem, até uma tragédia que mexe com o coração e o mundo de Cath e de Chase. Seus pais morrem em um triste acidente. 
E tudo desmorona.
Chase surta, larga todos, deixa sua irmãzinha para trás e some. 
Cath perde o amor pela vida, ela só sobrevive. Ela está ali, mas não está presente. Com isso seu namoro com Vic acaba e só sobra suas fortes amizades.

Cinco anos de passam!
Logo após a despedida de solteiro de Paty, Cath, nossa garota, acorda com uma baita ressaca, Paty irá se casar com o doce Brain. Ela acorda acabada. Pensa que está atrasada apara seu trabalho, que é o que paga sua faculdade de psicologia. Porém, o que ela não esperava era receber uma ligação de seu irmãozinho, depois de meses sem dar o ar de sua graça.

Chase está preso. 
Cath surta. 
Juntamente com seus amigos Paty/Brian e Vic, ela vai encontrar seu irmão na Califórnia. Ele alega inocência. 
Chase é acusado de estupro seguido de morte, por já ser fichado duas vezes anteriormente, Chase corre o grande risco de pegar pena máxima. A pena de Morte!

Claro que, Cath acredita no seu irmão. Ela não vai descansar até provar a inocência de Chase. Catherine Zimermann irá investigar e fará tudo que for preciso para salvar a vida de seu irmão. O que ela tem são duas pistas. O nome do clube que Chase frequentava e que a garota morta trabalhava e um nome de homem. Aparentemente o homem que apresentou a seu irmão um mundo novo de muitos prazeres e perigos.    
Leonard Clarke. 

Um homem perigoso, poderoso e controlador. Ela vai brincar com o perigo e vai ser seduzida... 
Seduzida Pelo Perigo!

Para descobrir quem é o verdadeiro assassino e salvar seu irmão. Cath agora é Cindy. Cindy a mais nova garota do Clube Espartagos. Cath logo de cara faz sucesso e cai nas graças de Leonard. Logo é convidada para uma das perigosas festas privadas do Clarkes. E é ''iniciada'' por Leonard... e seu irmão igualmente gato e perigoso. Num perigoso jogo de vida e morte, a história de Cath se desenrola. Será ela capaz de tudo para salvar Chase? Será que Cath se encantaria pela vida nova de loucura e prazer que Leonard pode apresentar? Será que estamos literalmente dormindo com o inimigo aqui? Perguntas, questões e suposições que só lendo para descobrir!

Seduzida pelo Perigo, não só entrou para os meus favoritos, como também me fez pirar, foram duas noites em claro - onde meu mundo e minha cabeça só tinha um dono... Leonard! Esse nome se tornou um hino de adoração durante a leitura, tantas emoções, tantos sentimentos, tantas reações loucas que esse homem e essa história causaram em mim, que é quase impossível passar tudo nessa resenha. Foram momentos de risos, momentos de choque, momentos de sofrimento, meu pobre coração se apertou tanto, meu estômago dava cambalhotas, e minha mente se entregou totalmente aberta a conhecer tudo que me foi apresentado. 

Cath uma verdadeira guerreira! E um brinde as mocinhas fortes e decididas. Ela foi, virou, mexeu e fez acontecer! Sabia que estava correndo perigo, sabia que podia se machucar de inúmeras formas. Se despiu de todos os seus ''pré-conceitos'' e seus medos, sentiu o que tinha que sentir, se entregou da melhor forma possível de cabeça erguida e mente focada... ganhou bem mais que esperava!

Leonard! Esse foi uma surpresa! Eu adoro conhecer as muitas formas de personalidade que pode haver dentro de um personagem, e Leonard é um prato cheio. Ele é controverso, ele é muito mais do que o bonito, irresistível, homem poderoso, frio, controlador, que aparenta ter tudo em suas mãos. Leonard está mergulhado em uma vida negra, tem uma família que trata tudo como um grande negocio. Ele é seduzido totalmente pela inocente, sedutora novata Cindy. Mas, Leonard não é um homem para se enganar. Ele entra nesse jogo com Cath, acaba se envolvendo, acaba perdendo seu tão precioso controle. E o que sobra? Leonard é um show! Ele rouba totalmente a cena. Sim! Você quer bater nele duramente, você quer que ele se abra, você sofre com algumas atitudes, mas acima de tudo, você se apaixona e ama profundamente esse homem incrível!     

♥ Seduzida pelo perigo, tem elemento dos meus tão amados romances policiais adultos. Temos um maníaco assassino solto! Temos um inocente preso, que irá pagar com a vida, temos uma irmã fiel que vai investigar um mundo obscuro, onde dinheiro, poder, prostituição e sexo comandam tudo. Temos um mocinho que não é tão bonzinho assim, onde o perigo pode ser apaixonante e sedutor! Você vai se entregar, vai ser envolvida, engolida e só vai pensar na história. Totalmente indico, para os fãs do gênero, pessoas que não tenham medo de se surpreender, inovar e se chocar de uma forma totalmente boa e incrível com uma obra que vai tirar sua mente do eixo e seu coração pela boca!     

Paula Juliana

quinta-feira, 7 de setembro de 2017

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte II - O Rio De Janeiro

[Está no Insta] EU FUI - Especial Bienal Rio/2017 - Parte II - O Rio De Janeiro
 
Rio De Janeiro - O CRISTO:


Jardim Botânico


Lapa (Escadarias e Arcos)
 

Centro Zona Sul - Municipal
 

Paula Juliana