sábado, 12 de dezembro de 2015

Resenha: Vítimas do Silêncio - Janethe Fontes

Resenha: Vítimas do Silêncio - Janethe Fontes
Classificação: 5/5 ♥ Favorito
Editora: Universo dos Livros

Sinopse - Vítimas do Silêncio - Janethe Fontes
Violentada sexualmente, ela preferiu manter o silêncio. Porém, o preço do seu silêncio pode ter-lhe custado alto demais...
... Um caso de abuso sexual ...
... Uma tentativa de fuga ...
... Um novo crime e ameaças ...
... O reencontro com o inimigo ...
Uma garota é vítima de estupro e tenta reconstruir sua vida. Mas, quando finalmente acredita ter encontrado o caminho da felicidade e esquecido aquela noite fatídica, um novo episódio a faz despertar para a apavorante certeza de que é absolutamente impossível fugir do passado... E só existe uma alternativa para que a paz retorne ao seu coração e se faça prevalecer a justiça: confrontar seu pior e mais temível inimigo.
Com uma narrativa surpreendente, a autora mantém o suspense até o fim, fazendo com que o leitor tenha de prender o fôlego para acompanhar essa aventura que traz, a cada capítulo, novas revelações e emoções de um passado que já parecia esquecido.
"Vítimas do Silêncio combina ingredientes como Romance, Aventura, Suspense, Sedução e Mistério em um livro que vai prendê-lo do começo ao fim, tendo como pano de fundo a questão do abuso sexual."

'' - Penso que só a justiça pode fazer com que as pessoas paguem por seus atos - tornou ela, com cuidado para não deixar transparecer qualquer melancolia em seu tom de voz.''

Nossa! O que falar dessa Obra?! Forte, comovente, além de levantar uma grande bandeira, é um livro que inspira e instiga o leitor. Vítimas do Silêncio da super autora nacional Janethe Fontes, é um livro que todos devem ler. Não só por tratar de um assunto forte que deve ser, sim! Pensado, debatido e comentado. É um livro que traz um forte apelo não só de justiça, mas também de como o amor é uma fonte de força e superação.

Quando terminei a obra fiquei pensativa e parei para refletir sobre tudo que li e aprendi acima de tudo. Muito do que foi dito e mostrado na obra foi uma novidade para mim. Algumas coisas espero comentar e dividir com vocês nessa resenha. 

'' E o pânico tomou seu coração, por isso, transformou por completo sua maneira de vestir. Não vestia minissaia, short ou qualquer outra peça mais ousada. Isso tudo porque, no fundo do seu coração, temia que fosse culpada do que estava acontecendo. Contudo, fechar a porta do quarto, se vestir com compostura e evitá-lo não foram suficientes para impedir que...''

Margarida nossa grande protagonista, sofreu violência sexual em casa, ela já tinha percebido olhares de desejo do padrasto e insinuações da parte do mesmo, mas acabou deixando de lado, achando que estava vendo coisas onde não tinha, até que em uma noite que mudou sua vida. Guida, foi estuprada pelo desgraçado.
Por medo, vergonha, ou por simplesmente não conseguir falar ela preferiu sair de sua casa e ir morar em Gramado com seus tios e primos.
Guida abraçou o silêncio!
E fez de sua missão juntar seus caquinhos e tentar tocar sua vida deixando sua mãe, irmã menor e seu padrasto para trás.

Como a vida é uma caixinha de surpresa o passado volta a bater na porta da moça e novamente ela tem em mãos a decisão de contar o que lhe aconteceu ou guardar para si, fugir novamente de tudo!


Eu optei nessa resenha contar somente essa parte da história, mas simplesmente queria abrir muito mais para vocês. Guida é uma protagonista muito forte e determinada. Ela usou sua força para refazer sua vida em diversas partes das história e o passado em muitas vezes voltou para assombra-la.


'' Ali, independentemente de ganhar ou perder, todos se sentiam vitoriosos, pois o simples fato de estarem vivos, de terem sobrevivido (...), já era mais que vitória.''

Em algumas partes do livro podemos até julgar seu comportamento. E vem aquele pensamento. Se ela tivesse contado naquela hora, não teria evitado determinado fato? Se ela tivesse denunciado, a história teria tomado um rumo diferente? Não teria sido mais fácil para ela abrir seu abuso para a família em vez de fugir e se esconder dentro de si mesma? 
É uma grande teia de SE, se ela tivesse feito isso, SE aquilo.
E da mesma forma que o leitor se questiona, também entende o lado da vítima. Sabe como foi díficil, como ela sofreu, como no lugar que ela deveria encontrar a segurança de seu lar, ela encontrou seu próprio inferno!
Uma vez li em algum lugar que um determinado fato, tragédia, ação não acontece de forma isolada, eles são um grande conjunto de pequenos acontecimentos, uma soma das nossas ações que levam uma grande coisa a acontecer.
Mas nada no mundo faz com que culpa seja da vítima. O único culpado é o agressor, foi ele que usou de força e brutalidade para se impor e abusar de uma pessoa que não queria cometer o ato.


E além da violência física, vem uma violência tão horrível quanto e brutal que é a violência psicológica. A chantagem, a forma que o agressor usa da vítima e impõem seu silêncio. ''Não! Você não vai contar para ninguém!'' Ou ''Eu mato sua mãe e você, se contar.'' Ações desse tipo que deixam marcas permanentes em uma pessoa. Depois que a vítima consegue refazer sua vida, se conseguir, são lembranças e dores que não passam. Como curar feridas assim? Como confiar novamente? São pontos que estão na nossa narrativa. Do mesmo jeito que a autora mostra a feiura que vem com a violência, ela faz paralelo com a força que a bondade, a amizade e o amor trazem para a vida de uma pessoa e como isso pode fazer toda a diferença.



'' ... o juiz examinava também, o comportamento da vítima ao aplicar a pena ao acusado. Além disso, é provável que o advogado use de argumentos baixos para tentar provar que a vítima possa ter, de alguma forma, cooperado ou provocado tal conduta.'' 


Muitas coisas na obra me deixaram muito revoltada. Primeiro o modo que o padrasto se comportava, cínico, doentio, nojento. Depois a forma que as leis são. Como por Deus, o juiz tem que analisar a conduta da vítima. Quer dizer que ela pode ter se insinuado, contribuído e induzido o agressor a ter cometido o ato de violência?! Então ele é menos culpado?! Coitado não conseguiu resistir! Claro! A culpa é toda da vítima, que foi violentada! São coisas que deixam a gente puta da vida mesmo. Revoltada e com nojo! E é nessas horas que pensamos que está na hora do mundo acordar e mudar em muitos aspectos. Corro o risco de ser tachada de radical ou algo do tipo, mas se as penas para o crime de estupro fossem mais pesada, mais radicais - falando aqui de pena de morte e prisão perpetua - esse tipo de violência não seria uma realidade e sim um exceção. Minha opinião aqui! Ok!     

'' Ah, pela amor de Deus, pare de sentir dó de si mesmo! Você acha que é só você que tem problemas?'' 

''... quando você conseguir enfrentar a si mesmo - continuou Margarida -, conseguirá superar seu problema.''

'' Ele é um anjo. Um verdadeiro anjo!''

'' - Pois eu acho que a Cinderela não chegava a seus pés.
Margarida sorriu novamente, depois o beijou com paixão.''


Esse livro também me trouxe sorrisos e muitas alegrias. Me apaixonei por um personagem em especial. Não posso abrir muito quem ele é. Seu nome é Will, ele é um homem fofo, gentil, inteligente, forte e maravilhoso! Lembrem desse nome meninas!! 


A autora tem uma escrita maravilhosa, fluida e viciante, é o segundo livro que leio dela, e como o primeiro eu ''comi'' a obra em uma noite! Então meu conselho é: Se você vai ler um livro da Janhete Fontes, pegue ele numa sexta, num final de semana, ou num feriado, como eu fiz! Porque é impossível largar a leitura antes do fim. 
A autora ainda aborda temas como a deficiência, as universidades e leis Brasileiras, e entre casos paralelos sobre trafico de drogas, crimes passionais, e abuso sexual trança um emaranhado de história que no fim são totalmente fechadas e amarradas com o grande enredo!    

''Depois, ele a conduziu de volta ao sofá e aninhou-a em seu colo, como uma criança, até que o choro e os soluços transformaram-se em gemidos e posteriormente em silêncio.'' 

É um livro incrível! Eu recomendo Vítimas do Silêncio para todos que gostam de uma boa literatura! Não é um livro pesado, apesar do tema forte, a autora soube dosar bem, isso quer dizer que aqui você não vai encontrar descrições horrendas de violência. Vai encontrar uma forma sutil, sensível e forte de falar sobre um assunto que tem que ser abordado e discutido!
Não esquecendo do poder da família, do carinho, da confiança, da justiça e do amor!

''... Esse é apenas um ''grito de alerta'' para quebrar o ''silêncio'' que paira sobre mulheres no mundo todo, que por medo ou vergonha são '' vítimas do próprio silêncio''. 

Paula Juliana

Nenhum comentário:

Postar um comentário